Depois dos 50 anos, não devemos mais viver  nos preocupando com opiniões que não pedimos. Aliás, em nenhuma idade devemos, muito menos depois dos 50. Não podemos nos preocupar com  pessoas de mentalidade  engessada,  sempre prontas a interferir negativamente e  que tendem a  nos incomodar.  Temos que levar em conta  que o  dever de casa já foi feito por  mais de meio século, o que nos obrigou  muitas vezes  a abrir mão de realizações pessoais em favor da carreira, da  família e de outras obrigações, que demandaram  muitas regras  para seguir, muitas lições para aprender e  também  para ensinar. O que  realmente  importa agora  é aproveitar esse  glorioso  tempo  grisalho, essa maior idade, muito maior do que gostaríamos e por isso  muitas vezes não assumida com prazer, já que a juventude se vai e  gostaríamos que fosse eterna.
O fato é que quando chegamos aos trinta, já começamos a nos  imaginar mais a frente  com boa condição financeira, namorando, formando família e em pleno progresso. E assim vamos pensando sempre à frente, no futuro do futuro do futuro, vivendo o presente em paralelo,  mas sem estar nele totalmente, porque ele não realiza ainda os nossos sonhos, já que nos tornamos meio inflexíveis ao presente  e só queremos viver mesmo no futuro; a ideia da morte também não nos assusta muito, pois pouco pensamos nela, que não se encaixa em nenhum tempo.
Quando nos sentimos prontos para o viver o presente,  já nos vendo dentro dele, estamos mesmo é na faixa dos 40 aos 50.  Então nos vemos caminhando nessa maior idade chamada  maturidade e só nos resta  assumir a passagem do tempo em nós e aproveitar  a vida o mais  intensamente possível, já que não há mais tanto tempo para plantar, mas se já plantamos, é hora de colher e celebrar. Também devemos nos perdoar por alguma muda que não vingou, principalmente se fizemos tudo como devia ser feito. Estamos aqui para ganhar e perder e a maturidade nos dá mais sabedoria para lidar com as perdas e nos confere especial prazer para contemplar as vitórias, mais valorizadas  quando estamos mais velhos. 
O passar do tempo não nos deixa só mais velhos, ele também  nos faz mais sábios e  nos traz muito mais do que imaginamos para tirarmos proveito da vida nas retas e além das curvas; às vezes nem sequer nos damos conta que essas curvas podem ter  novos atalhos com possibilidades  mais coerentes com o nosso tempo e a  nossa possibilidade dentro dele.  Portanto, vale muito a pena  viver a beleza que esse tempo grisalho nos oferece para não pensar  em nada que não seja viver o que  temos nas mãos, pois a partir dos 50,  podemos dizer, de certa forma, que já chegamos  ao nosso futuro, e não vale guardar energias e alegrias para viver amanhã, porque nosso amanhã é reduzido a cada dia, já que não temos mais vinte e poucos anos.  

Enquanto estivermos por aqui,  e esperamos que  demore muito, continuaremos a cruzar as linhas do tempo, agora já sem muito compromisso pesado  e mais diversão, procurando  desvendar  novos  caminhos e viver nossas emoções, pois a cada dia que vivemos é menos um, é um dia que morremos. Por isso, precisamos aproveitar  os minutos diários sem muitos dilemas, sem muitos senões, sorrindo mais e sofrendo menos,  para que possamos  apreciar a vida em todas as suas estações, enquanto nossos então vivos olhos distinguirem esse movimento.


Comments

comments


Ceiça Monteiro

Ceiça Monteiro - Acredito na força do pensamento e no poder das palavras, que precisam ser positivas para que nos tornemos mais iluminados.

0 comentário

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *