Quero ter o prazer de viver meus dias de calmaria e em
águas rasas ou profundas, poder sentir o amanhã,
vê-lo nascer e celebrar com olhos especiais os seus detalhes.

Quero aproveitar suas horas e compartilhar tudo que sinto. E
quando a tardinha cair, com ela quero me encontrar
e lhe dizer que é uma imagem entre o dia e a noite,
para que o fim de um e o começo da outra aconteçam.

Quero viver cada momento, me fundir, entrar serena nele.
Não posso vê-lo passar simplesmente, como um trem. Quero consumir meu dia acreditando na minha obra e não lhe dar chance de me consumir porque o ultrapassei.

Pela noitinha, quero reverenciar a lua e as estrelas
e se não as vejo numa noite escura, as imagino,
pois guardo essas imagens para descobrir novas vias,
enquanto passeio liberta e plena dentro de mim.

Não louvo gritos em excesso nem silêncio absoluto, vivo em movimento, mas sem pressão, gosto de equilíbrio, gosto do centro. Eu e meu meu barco navegamos há 67 anos por esses mares, tempestades e bonanças fazem parte das viagens e a cada novo trecho, ainda vibro e me emociono.

Amadurecemos com o tempo, eu e meu barco.
Estamos seguros mesmo durante as tempestades, pois sinto que meus anjos, na hora certa, assumem o comando
e cantam para acalmar minha alma, me assegurando
que terei novos dias iluminados, se meu sol interior prevalecer.

Comments

comments

Categorias: Blog

Ceiça Monteiro

Ceiça Monteiro - Acredito na força do pensamento e no poder das palavras, que precisam ser positivas para que nos tornemos mais iluminados.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *